Dill – Aneto ou Endro

dill

Dill – Aneto ou Endro
Origem: Sul da Rússia e Mar Mediterrâneo.
Características: Planta delicada, de folhas verde-azuladas bem finas, atinge 80cm de altura. O dill é muito parecido na aparência com o funcho (ou erva-doce), seu parente.
História
Os primeiros registros do dill são de 3.000 a.C. e vem do Iraque, mas também existem descobertas arqueológicas citando-o, já na Idade da Pedra, no território da atual Suíça. A Bíblia registra que os egípcios o cultivaram em torno de 2.000 a.C. Os romanos utilizaram o dill para temperar aves e vinho ou para estimular as funções do intestino e estômago. O dill se espalhou pela Europa inteira até a Escandinávia, onde tornou-se a erva fundamental. Na Alemanha medieval, usava-se uma almofadinha com a planta embaixo da blusa para se proteger dos feitiços das bruxas, e para ser usado como afrodisíacoO Dill na culinária

Também conhecido por aneto, é muito usado na cozinha sueca, finlandesa, russa e polaca para aromatizar salmão e batatas novas.
Também é utilizado em saladas na parte ocidental da Turquia. Tem um aspecto semelhante ao do funcho mas o sabor é muito diferente.
Também faz parte indispensável da cozinha búlgara, nomeadamente na preparação de alguns pratos típicos como a famosa sopa fria de verão chamada “tarator”, para aromatizar pratos e sopas de cogumelos, ou saladas como a salada branca de neve e de pepinos.

Uso medicinal
Propriedades medicinais: Antidiarréica, antiemética, antiespasmódica, anti-inflamatória, antisséptica, aperiente, aromática, carminativa, depurativa, digestiva, diurética, dispepsia, estimulante, estomáquica, galactagoga, hipnótica, laxante, resolutiva, supurativo.

Indicações: Aerofagia, ânsia de vômito, aumentar o leite das mães, cólica intestinal em recém-nascidos, em dietas sem sal (rico em sais minerais), digestão, dismenorreia, dispepsia, dor de dente, espasmos gastrointestinais, flatulências, fígado, furúnculo, gases, hiperacidez estomacal, insônia, inflamação dos olhos, limpeza e desinfecção de feridas, queimaduras e úlceras dérmicas, meteorismo, resfriado, soluços.

Contraindicações/cuidados: Contraindicado o uso interno de óleo essencial durante a gravidez, lactância, para menores de seis anos e pessoas com gastrite, úlcera gastroduodenal, síndrome de intestino irritável, colite ulcerosa, enfermidade de Crohn, hepatopatia, epilepsia, mal de Parkinson e outras enfermidades. neurológicas. O óleo essencial pode causar fitofotodermatite (furanocumarinas). em doses elevadas é convulsivante.

 

 

Louro

louro

Louro,
A especiaria louro é filha do loureiro, uma árvore com origens no Mediterrâneo e que pode alcançar 20 metros de altura. Suas folhas são vistosas, coriáceas (textura semelhante ao couro) e com odor característico, indicadas para uso na culinária. O seu fruto quando maduro tem cor negra e dá origem ao óleo de louro, com aplicação medicinal. Além disso a sua madeira é de excelente qualidade.
Na Grécia Antiga as coroas confeccionadas com ramos de louro eram o símbolo da vitória para os atletas e heróis nacionais. Esse costume também foi herdado em Roma na época dos Césares.
Uso Culinario
A folha de louro libera seu sabor aos poucos, por isso é bem utilizada em preparações de cozimento longo como sopas, ensopados, cozidos e também em marinadas e picles.
O louro faz parte do bouquet garni (amarrado de temperos francês) e é usado em caldos e molhos.
Combina muito bem com feijões, lentilhas e outras leguminosas.
O louro pode ser também usado com frango, carneiro, carne de boi, peixes, frutos do mar e castanhas portuguesas.
Ele dá sabor ao molho branco e combina bem com molho de tomate.
Pode ser adicionado ao arroz e batatas. Eu gosto de colocar uma folha na água quando cozinho massa integral.
Pode também aromatizar arroz doce e frutas, principalmente as cítricas.
Não deve ser usado em demasia, pois seu sabor é muito forte. Deve ser retirado antes do prato ser servido.
Uso Medicinal

Os principais nutrientes da folha de louro são potássio, fibras, hidrato de carbono, vitaminas B6 e C, magnésio e ácido fólico, entre muitos outros. Com propriedades anti-inflamatórias, antirreumáticas, diuréticas, digestivas, hepáticas, expectorantes e estimulantes, a folha de louro é uma excelente opção para quem sofre de problemas digestivos como gastrite, úlcera, gases e inflamações no fígado. Serve ainda para aliviar cólicas menstruais, pois regula o fluxo e o ciclo menstrual, dores de cabeça, reumatismo, infecções de ouvido e na pele. Suas propriedades expectorantes a tornam remédios poderosos contra gripes e resfriados, pois limpam as vias respiratórias. Também é uma planta relaxante, reduzindo o estresse e a ansiedade.

Efeitos Colaterais do louro

O efeito colateral do louro é sonolência, quando consumido em excesso.

Contraindicações do louro

O louro está contraindicado para mulheres grávidas ou em fase de amamentação.

 

 

Oregãos

oregaos-2

O orégão

natural da Europa do Norte e o seu cultivo estendeu-se a muitas regiões do globo.
Reconhecido pelas suas propriedades aromáticas, desde os tempos mais antigos, pelos gregos e romanos o orégão eraum símbolo de alegria e felicidade; era tradição das noivas e noivos gregos e romanos, serem coroados com uma coroa de orégãos.
O orégão tem vindo a ser cultivado em França desde a Idade Média, chegando já nessa altura a ser um importante tempero na culinária mediterrânea. O orégão era pouco conhecido nos Estados Unidos até o início do século 20, quando os soldados regressados de Itália trouxeram esta erva de perfume delicioso.
Uso culinario
Orégão ou Orégano, é uma das ervas aromáticas mais utilizada, na cozinha italiana, de tal forma que apesar de sempre ter existido e ter sido utilizada também em Portugal, no Brasil a palavra que se utiliza é a italiana e não a portuguesa, pois o seu uso na época dos descobrimentos era restrito, mais usada no Alentejo, quando os marinheiros eram essencialmente do Norte onde o seu uso era quase exclusivamente medicinal. Tirando este pormenor falemos de como utilizar o Orégão ou Orégano, pode-se usar em molhos que acompanham carnes, peixes e berinjelas, preparações “à parmeggiana”, saladas de tomate e queijos frescos, Mas também na elaboração de extratos de tomate e de ‘pastas’ (massas), sem nunca esquecer que sem ele as pizzas não são verdadeiras pizzas. Eu pessoalmente gosto de utilizar também em omeletes.

Ajudando sua saude

O orégano serve para tratar problemas respiratórios, como a tosse, o resfriado, o catarro e a inflamação da garganta, problemas intestinais, como a diarreia e a flatulência, infecções urinárias, como a candidíase, doenças de pele, como a dermatite eritematosa, a ftiríase que é uma doença de pele causada por piolhos e sarna e o alívio de dores reumáticas, menstruais ou de cabeça.

O orégano, na alimentação diária, está associado à prevenção de doenças cardiovasculares devido às suas propriedades que atuam como antioxidantes naturais e à prevenção da hipertensão, pois o orégano ressalta o sabor dos alimentos, reduzindo o sal nas refeições.

Propriedades do orégano

As propriedades do orégano incluem sua ação analgésica, antitússica, anti celulítica, antiespasmódica, cicatrizante, carminativa que atua na redução de gases, expectorante, anticaspa, laxante, diurética e antivirótica.

Contra-indicações

Em grandes quantidades e por um longo tempo os homens não é recomendável beber chás de ervas orégano, isso pode afetar a potência. Não é recomendado o uso de produtos que contenham orégano e sangramento em doenças do sistema cardiovascular, sobrecarregados com complicações.

Cebolinha

cebolinha

Cebolinha
Existem registros da existência da cebolinha na China, há mais de quatro mil anos. Lá, era conhecida como a “pérola entre as verduras”. Dizia-se, na China, que quanto mais forte o aroma e o sabor da cebolinha, maior seu poder de cura. Trazida do Oriente por Marco Polo, rapidamente, tornou-se indispensável na culinária Ocidental.
Uso Culinario
Usado para pratos de batatas, leguminosas, sopas, carnes, assados, peixes, pratos com ovos, molhos, sanduíches. É um excelente aromatizante em saladas, patês e queijo fresco.
Uso medicinal
O alto poder nutritivo da cebolinha a torna um dos melhores antibióticos naturais. Rica em flavonóides, também é anti inflamatória, tendo sido usada pelos romanos como um dos remédios mais populares para tratar dor de garganta. Cura a acne e a artrite reumatóide, e recentemente ganhou status de alimento anti câncer, em especial os de próstata e do estômago.
Comer cebolinha todos os dias regula a pressão arterial e combate o estresse.

Possui propriedades anti bacterianas e anti fúngicas, podendo ser usada como repelente de insetos quando em forma de suco. Se foi picado por algum inseto, o suco também pode ser aplicado na pele, para tratar a ferida.

É fonte de beta caroteno, assim, uma máscara facial, aliada ao consumo regular, curam a acne, e deixam a pele mais radiante. Essa substância também faz com que a cebolinha seja um remédio natural para melhorar a visão.

Contém alta concentração das Vitaminas E e C. Logo, aumenta a elasticidade dos vasos sanguíneos e a absorção de ferro. Melhora o sistema imunológico de um forma geral, protegendo o organismo contra doenças degenerativas, ou cardíacas.

É rica em magnésio, zinco, manganês e cobre, minerais que ativam o metabolismo, e consequentemente, a digestão.
Pode ser comida como fonte de fibra para melhorar o desempenho do intestino e do cólon, prevenindo hemorróidas, por exemplo.

Também é fonte de fósforo, ferro e cálcio. Em resumo, como é da família da cebola, possui praticamente os mesmos benefícios terapêuticos.

O recomendado é consumir pelo menos 3 hastes todos os dias. Cuidado apenas, se quer manter o peso, pois é estimulante do apetite

Contraindicações.
Algumas pessoas são intolerantes as cebolinhas, neste caso não devem consumi-la. Além disso, é contra indicado em casos de gastrites sensíveis a aliácias.

Coentro

coentro

Coentro , O uso de coentro pode ser rastreado até 5000 A.C, tornando-se uma das mais antigas especiarias do mundo.
É nativa do Mediterrâneo e das regiões do Médio Oriente, e tem sido usada nos países da Ásia há milhares de anos. O coentro foi cultivado no antigo Egipto e mencionado no Antigo Testamento. Foi utilizado como uma especiaria em ambas culturas gregas e romana, esta última usando-o parapreservaro sabor das carnes e do pão. Nos primordios da medicina, incluindo Hipócrates, o coentro era utilizado devido às suas propriedades medicinais, inclusive como um estimulante aromático.
A Rússia, Índia, Marrocos e Holanda são alguns dos países que produzem comercialmente sementes de coentro. As folhas de coentro são apresentadas nas tradições culinárias da América Latina, indiana e chinesa.
As sementes ou folhas de coentro podem ser adicionadas a todos os pratos da culinária. Seja a folha ou a semente inteira, ou picada, ou em pó.
O sabor do seu feijão, carnes, frango peixe ou pães e doces são sempre enriquecidos com o gosto picante e pungente do coentro.

As sementes do coentro devem ser adicionadas no principio do cozimento. Seu sabor intenso fica ótimo se usado em picles, carne de porco, ou tomate. Os legumes temperados com ela tornam-se peculiares em seu sabor.

Ajudando sua saude
As propriedades e os benefícios do chá de coentro
Devido às suas propriedades diurética, adstringente, estimulante e anti-inflamatória, o chá de coentro proporciona diversos benefícios à nossa saúde, dentre os quais podemos destacar os seguintes:
O chá preparado com as folhas secas do coentro proporciona benefícios no tratamento da fadiga e de enxaquecas;
Combate a flatulência, a má digestão, a anorexia nervosa e problemas estomacais;
No uso externo, este chá é utilizado no combate ao reumatismo e nas dores das articulações;
Regula o período menstrual;
Também pode ser utilizado para combater enjoos, vômitos, inapetência digestiva, cólicas e gases intestinais;
Age no controle da diabetes;
As sementes do coentro também são conhecidas por reduzirem o nível de colesterol;
Auxilia nos casos de ansiedade, nervosismo e excesso de apetite;
O óleo feito a partir da semente do coentro atua no combate a dores de cabeça, inchaço, conjuntivite, reumatismo, úlceras na boca e hemorroidas.
Contraindicações
É necessário ter atenção com a quantidade ingerida, pois, quando tomado em excesso, o chá de coentro pode causar lesões renais.

 

Salsa

SALSA

Salsa Natural da Europa (conhecida também por salsinha, salsa-de-cheiro ou salsa-hortense) foi trazida para o Brasil no início da colonização. O cultivo da salsa faz-se há mais de trezentos anos, sendo uma das plantas aromáticas mais populares da gastronomia mundial.
Além de proteger as células do envelhecimento, a salsinha nos oferece grandes quantidades de vitamina C e betacaroteno, que ajudam a fortalecer o sistema imunológico.
Uso na culinaria
A Salsa, é uma erva aromática de aplicações quase intermináveis, no que ao uso culinário diz respeito, ela pode ser usada para temperar carnes, molhos, risotos, marinadas, caçarolas, maioneses, verduras, batatas, ovos, grãos, molho vinagrete, saladas, tabule (prato típico feito com trigo para quibe), tomates secos em conserva, etc… É também uma das presenças ‘obrigatórias’ nos ‘raminhos de cheiro’, que são pequenos ‘bouquets’ de ervas variadas, usados para ‘perfumar’ um sem numero de receitas e que é normalmente retirado antes de servir.
A salsa é uma erva que tem a capacidade de proteger o fígado e os intestinos de diferentes tipos de câncer que podem chegar a afetá-los. Suas propriedades anticancerígenas encontram-se em um de seus componentes conhecido como miristicina. Além disso, protege o cérebro ao prevenir tumores que podem aparecer a qualquer momento.
A salsa possui grandes propriedades estimulantes da digestão, é antiflatulenta e carminativa. Ajuda a expulsar o excesso de gases evitando a sensação de peso, também favorece o organismo a eliminar as toxinas que estão acumuladas, e principalmente, protege os rins ao impedir a formação de cálculos renais.
Possui poderosos agentes antioxidantes que protegem as células do envelhecimento. Permite manter a pele saudável, posto que esta planta possui propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias, sendo de grande ajuda para todas aquelas pessoas que sofrem de acne, manchas e outros problemas relacionados.
Contra indicacao
A Salsa está contraindicada para grávidas e pacientes com inflamação renal.

Hortela

 

hortela

Hortela, tambem conhecida como meta , e originaria da Europa
é uma erva perene, de 30 a 40 cm de altura, com folhas que possuem aroma forte e característico. Tem grande importância medicinal e social, por sua alçao contra microparasitas intestinais, recentemente descoberta. Há muitas espécies de hortelã parecidas, dificultando a escolha da planta certa para fins medicinais, exigindo a obtenção dasmudas em locais de confiança.
Desde a mais remota antiguidade, essa e outras plantas são utilizadas como condimento em massas e carnes, bem como para fins medicinais.
Suas principais caracteristicas – espasmolítica (reduz contrações musculares involuntárias), antivomitiva (evita vômitos), carminativa (eliminador de gases intestinais), estomáquica (favorece a digestão), e anti-helmíntica (elimina vermes intestinais), por via oral, bem como anti-séptica (contenção de microrganismos) e anti-prurido (redução da coceira), por via local
A menta tem um dos sabores mais populares do mundo, é ao mesmo tempo refrescante e ardida, quente, com uma fragrância adocicada. Nativa do sul da Europa e mediterrâneo, a menta faclmente se adaptou ao clima temperado. Seus variados tipos se misturam facilmente, levando a confusões sobre nomenclatura, mas para a culinária elas podem dividir-se em apenas dois grandes grupos: “spearmint” (menta) e “peppermint” (hortelã).

Aqui em casa eu adoro usar a menta e principalmente hortelã durante o verão, já que sua refrescância é incrível. Mas andei descobrindo que um chá quentinho de hortelã também faz maravilhas com o nosso humor e digestão.

Partes utilizadas:

Folhas secas e frescas. Flores eventualmetne nas saladas.

Como comprar e armazenar:

Maços frescos de hortelã são facilmente encontrados em feiras livres e supermercados. A versão orgânica também é relativamente comum. Quando guardadas em um peqeuno vaso com água, à temperatura ambiente ou na geladeira, a hortelã e menta duram tranquilamene dois dias com todo seu frescor.

As folhas podem ser picadas e congeladas, armazenadas em peqeunos recipientes ou ainda misturadas a água e/ou um bom óleo, podem ser congeladas em forminhas de gelo. Eu particuarmente prefiro smepre as ervas frescas, tenho a impressão de que ervas congeladas nunca preservam 100% do seu sabor e perfume, porém essa é uma solução prática para quem tem menos tempo disponível.

A hortelã e a menta podem ser secas facilmente. Colha antes de florada e amarre um maço de ponta cabeça em um local arejado e seco, ou ainda coloque as folhas espalhadas numa assadeira e deixe-as no forno muito baixo, com a porta entreaberta, por diversas horas. Guarde as folhas secas em potes hermeticamente fechados.

Uso culinário:

Ervas frescas:

A culinária ocidental usa a menta para dar sabor a beringelas, cenouras, abobrinha, ervilhas, batatas e tomates. A menta e o hortelã vão muito bem com carne de frango, porco e vitela e o tradicional carneiro, seja como uma marinada, em forma de geléia, molho frio com azeite, etc. O molho “paloise” (um tipo de molho béarnaise feito com hortelã ao invés de losna – outra erva sobre a qual falarei em outra oportunidade) é um excelente acompanhamento para peixes e aves.

Na cultura árabe a hortelã é essencial para o famoso tabule e é parte importante do mezze, uma porção de ervas frescas, saladas e legumes. No Vietnã a hortelã ou menta são adicionadas em saladas ou a pratos que acompanhem os rolinhos primavera.

No Irã ela é servida com pepinos e iogurte, como numa sopa Os indiano usam muito em chutneys e raitas. Usam também para suavizar os temperos picantes de legumes e carnes.

Em partes da América do Sul a hortelã ou a menta são usadas em combinação com pimentas, salsinha e orégano para temperar pratos de cozimento lento. Os mexicanos usam uma peqeuna porção em bolinhos de carne.

A hortelã fresca fica deliciosa quando misturada a saladas de frutas. O sorvete de hortelã (que eu quero tentar preparar num futuro próximo) é tido como um dos mais saborosos e refrescantes.

Contra Indicado – não pode tomar o chá de hortelã: quem tem cálculos biliares, grávidas, mães em amamentação, bebês e crianças pequenas que ainda mamam.

Salvia

salvia

A Salvia e originaria do Mar Mediterrâneo da família Lamiceae
com folhas peludas de cor verde -acinzentado e flores lilases.
Um pouco da sua historia.
Usada pelos romanos e gregos primeiro como planta medicinal contra picadas de cobras e mais tarde também como tempero. No início da Idade Média já era conhecida na Europa Central, sendo cultivada nos jardins dos mosteiros. A sálvia tinha a fama de prolongar a vida e proteger as pessoas. Por causa de sua superfície rugosa, era associada à pele dos sapos – achava-se que o animal morava abaixo da planta. Acreditava-se também que ela ajudaria na expulsão de demônios. Ainda assim, a sálvia foi usada na cozinha medieval para temperar carnes gordurosas, vinho, cerveja e omeletes. Era muito utilizada na medicina da época para fazer gargarejo e tratar os dentes. A partir do século 17, cresceu muito o seu uso na culinária em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos e na Itália.
O uso da Salvia na sua cozinha
A sálvia tem um aroma intenso e sabor picante. Suas folhas realçam carnes de peixe, aves e porco, além de molhos.
Ajudando a sua saude
Chá de sálvia é muito bom contra infecções de gengiva. A planta ainda tem propriedades de desinfetante e antiinflamatório.
A sálvia tende a ter um efeito secante e já foi usada para controlar a produção de saliva excessiva, comum em doenças como o Mal de Parkinson. Melhora a digestão de comidas gordurosas e atua como um preservativo natural. As folhas são acrescentadas a saladas simples, pães, recheios, sopas, guisados, queijos, peixe e carnes e com a planta é possível fazer vinagre, manteiga e vinho. As folhas e flores da sálvia podem ser adoçadas.
Na medicina alternativa, o cataplasma de folhas frescas é usado para picadas de inseto e feridas. O gargarejo é indicado para feridas na boca, laringite, dor de garganta e amigdalite. A lavagem para eczema, sumagre-venenoso e psoríase. Em forma de enxaguante para combater caspa, cabelos oleosos e escurecer cabelos grisalhos. Ducha para leucorreia. Também é usada em mulheres que têm menstruações excessivas.
A sálvia é ingrediente de várias pastas de dente e possui vapor facial refrescante. As folhas frescas esfregadas nos dentes atuam como um agente embranquecedor. É usada em desodorizantes como um antiperspiratório.
Contraindicações e efeitos colaterais da sálvia
Doses grandes devem ser evitadas durante a gravidez, amamentação (a planta tende a secar o leite do peito), por pessoas com epilepsia ou por períodos estendidos.